A Cobertura Parcial Temporária impede o acesso a alguns serviços, temporariamente, em caso de lesões e doenças preexistentes

A Cobertura Parcial Temporária pode limitar, temporariamente, os procedimentos e serviços de um plano de saúde que o cliente tem acesso. Permitida por lei, ela depende das condições de saúde do consumidor no momento da contratação.

Embora siga preceitos legais, ela pode apresentar variações de acordo com o cada convênio particular de saúde. Por isso, entendê-la e saber como funciona é crucial antes de contratar um plano para chamar de seu.

 

O que é Cobertura Parcial Temporária?

A Cobertura Parcial Temporária corresponde à impossibilidade de acesso a certos procedimentos e serviços do plano de saúde durante um certo período. Ela se aplica diante da existência de doenças ou lesões preexistentes (DLP).

Estas condições prévias devem ser informadas ao plano de saúde no momento de adesão a ele, no documento de declaração de saúde. Nele, o contratante deve informar eventuais enfermidades que ele ou seus dependentes no convênio possuam.

A omissão quanto às doenças ou lesões preexistentes na declaração de saúde não é recomendada. Ela pode até mesmo justificar a rescisão do contrato pelo convênio médico escolhido.

Posso migrar de plano de saúde com uma doença pré-existente?

 

Cobertura Parcial Temporária é a mesma coisa que carência?

Não. Ainda que ambas impeçam o acesso a alguns procedimentos temporariamente, não são sinônimos.

A CPT é exclusiva de doenças e lesões preexistentes. Por outro lado, a carência pode tanto levar em consideração estas condições quanto impor um prazo para acesso a serviços específicos, com ou sem enfermidades prévias.

Por exemplo, um plano de saúde pode dispor que o acesso aos dispositivos intrauterinos (DIU) somente possa ocorrer depois de 6 meses da contratação de seus serviços. Note que isso nada tem a ver com uma doença prévia, mas com uma regra do convênio.

Isso é diferente do que acontece no caso da Cobertura Parcial Temporária do plano de saúde que pode acontecer, por exemplo, diante de uma doença cardíaca. Neste caso, esta pode impedir acesso a procedimentos específicos voltados à enfermidade por até 24 meses.

Como funciona a carência no plano de saúde?

 

Quando se aplica a CPT?

Sempre que o contratante do plano de saúde ou seus dependentes, que também farão uso dos serviços conveniados, possuírem alguma doença ou lesão no momento da contratação.

Quem pode ser dependente no plano de saúde empresarial?

 

Qual é o prazo de duração da Cobertura Parcial Temporária do plano de saúde?

Os prazos variam de acordo com cada plano de saúde. Todavia, de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o período de suspensão de parte dos serviços e atendimentos jamais poderá ser maior do que 24 meses (2 anos).

 

Quais são os procedimentos que ficam suspensos durante a CPT?

Fazem parte dos procedimentos atingidos pela CPT aqueles que apresentam alta complexidade. Também, os acesso a leitos de alta tecnologia ou cirurgias decorrentes das lesões ou doenças pré-existentes.

Eles variam de acordo com a doença ou lesão prévia declarada na adesão ao plano de saúde. Por exemplo, quando ela possui natureza cardíaca, a suspensão impede o acesso a procedimentos cardíacos.

 

Tire suas dúvidas e contrate seu plano de saúde com segurança

Ainda possui dúvidas em relação à Cobertura Parcial Temporária? Neste caso, entre em contato com a Carol Flor Corretora. Com ela você tem acesso a informações completas sobre os convênios de saúde e encontra as melhores opções de planos para contratar.

Notícias relacionadas

30/01/2024

Quais são as desvantagens do consórcio imobiliário?

Leia mais trending_flat
23/01/2024

Seu plano de saúde foi cancelado? Saiba o que fazer

Leia mais trending_flat

Fale com a Carol Flor
Entre em contato pelo
WhatsApp e tire suas
dúvidas.